Índice de Perdas do Varejo Nacional aumenta 7% em 2018

Depois de três anos com sequência positiva, perdas do setor cresce e atinge cerca de R$ 21,5 bilhões, representando 7% do faturamento

O Índice de Perdas do Varejo aumentou 7% em 2018, atingindo 1,38% do faturamento líquido de R$ 1.55 trilhão, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a segunda edição da Pesquisa de Perdas no Varejo Brasileiro, feita pela Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe), o impacto das perdas em todo o setor varejista representa cerca de R$ 21,5 bilhões do faturamento de toda a cadeia.

A pesquisa considerou 12 segmentos, entre eles o de supermercados, que teve seu primeiro resultado negativo em 2018, após quatro anos de índices positivos de diminuição das perdas. Os últimos anos apresentaram os seguintes percentuais de queda nas perdas:

  • 2015 (1,4%)
  • 2016 (1,32%)
  • 2017 (1,29%)

O estudo diz que o principal responsável pelo resultado é a quebra operacional, que responde por 36% do total de perdas. Em seguida, aparecem furtos externos (20%), erros sobre inventário (13%) e furtos internos (11%).

Influência do cenário econômico

Além disso, erros de administração também contribuem para o resultado de 2018 com participação de 9% no índice, além de outras incorreções como fraudes no cadastro de produtos. Apesar do movimento dos consumidores em direção às vendas online ou com cartões, as perdas decorrentes de dinheiro falso ainda acontecem no varejo e geram prejuízo de 0,37% do faturamento líquido das empresas deste setor.

Um dos motivos para o aumento no índice de perdas, segundo Carlos Eduardo Santos, presidente da Abrappe, foi o cenário econômico do ano passado, quando parte dos gestores e empresários do setor estavam otimistas e acabaram investindo em níveis de estoques mais altos. Como as vendas não alavancaram como o esperado, o estoque acaba perecendo tanto pela quebra operacional, como pelas reduções de margem e de preço.