Visual Merchandising: como ser um influenciador de vendas

O visual merchandising pode revolucionar o ponto de venda

Mostrar o produto ou apresentar o produto. Você consegue reconhecer a diferença nesses dois atos? Muitos varejistas acreditam que apenas mostrar, exibir o produto no estabelecimento é o suficiente para garantir vendas e fidelizar o cliente. Entretanto, reflita: por que existem tantos supermercados que vendem o mesmo produto com o mesmo preço (ou até mais caros), e esses se sobressaem mais do que os outros? A resposta pode estar na apresentação.

O visual merchandising pode ser um diferencial inovador na maneira em que as pessoas enxergam e vivenciam o seu negócio. Unindo fatores estéticos e usuais, ele repensa novas formas de organização, decoração, iluminação e agrega peças inovadoras no ponto de venda.

foto2
Lojas devem expressar identidade da marca e passar mensagem ao consumidor

George Homer, sócio-fundador da GH & Associados e designer especialista em varejo, foi um dos palestrantes do Congresso de Gestão APAS 2016 e alerta como é importante pensar além do óbvio: “O conceito de ponto de venda não pode se resumir a um lugar onde alguém compra algo que outro alguém tem para vender. O ponto de venda é o local onde pessoas realizam desejos e, só por isso, é excelente para divulgar e dar identidade à marca”.

Homer defende que é necessário explorar o ponto de venda de forma multidimensional, seja física ou emocionalmente. Segundo ele, a loja é a expressão multidimensional da marca, enquanto o design é a expressão da
personalidade.

Para empregar uma boa comunicação entre o varejo e o consumidor, é necessário identificar os pontos estratégicos da loja. Assim, é possível adequar o conteúdo da mensagem ao ponto de venda.

foto1
Área de vendas não é uniforme: gestor deve identificar áreas estratégias e personalizá-las

Veja algumas dicas do designer:

  • Simplifique a comunicação, pense onde colocar mensagens institucionais, operacionais e promocionais, de acordo com o fluxo e o momento da compra.
  • A cada etapa do processo da compra ou da utilização de um serviço é possível passar uma informação diferente ao cliente. Desde o momento que ele entra na loja, procura, escolhe, vai para a fila e paga.
  • Um projeto de visual merchandising adequado é aquele em que, a todo tempo, o cliente cria identidade com a marca.

O desafio, concluiu George durante sua palestra, é como assimilar os desafios com novos produtos, consumidores, marcas, canais de distribuição, economias, tecnologias, segmentações e diálogos.

Então, ainda pensa em apenas “mostrar” ou “apresentar” um produto?

Com informações: Canal do Franchising

Baixe a apresentação de George Homer aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.