A melhor forma de animar os varejistas é vender

“O que o varejo precisa é acabar com esse desânimo! Falta de ânimo é falta de alma! Não conheço nenhum desanimado que venceu na vida!” Com essa chacoalhada, Luiza Helena Trajano, presidente do conselho administrativo da Magazine Luiza, abriu o painel “Perspectivas e Oportunidades em Diferenciação Estratégica” do Congresso de Gestão da APAS nesta quarta-feira, 04 de maio.

E, como não poderia deixar de ser, a melhor forma de animar os varejistas é vender. No caso do Magazine Luiza, todos os departamentos passaram a ser vendedores. “Criamos o slogan ‘foca na venda’,simbolizado por uma foca que tem até uma historinha para disseminar a importância dessa atividade para toda a organização”, destaca Luiza. A ideia pegou e está indo tão bem que ano passado um dos ganhadores do prêmio de melhor vendedor da empresa foi o diretor da área financeira.

Foco nas vendas, assim como a solução dos pequenos problemas operacionais, faz parte da estratégia de curto prazo que a empresa adotou para enfrentar o período de retração econômica. Luiza, porém, faz questão de destacar que a direção não deixou de lado os planos para o longo prazo. “Estamos investindo fortemente na digitalização e na inovação como fatores de sustentabilidade para o futuro.” Para ela, a grande vantagem do varejo em momentos como o atual é a velocidade em se adaptar às mudanças.

Preocupar-se com o presente, mas não perder o longo prazo de vista, também é a estratégia da Johnson & Johnson. Mesmo sofrendo o impacto no desaquecimento das vendas, a empresa acaba de fazer aquisição de uma empresa na área de higiene. “Sempre há oportunidades de crescimento. Se o mercado está em queda, temos que ganhar participação sendo melhores que nossos concorrentes”, avalia a Duda Kertész, presidente da divisão de consumo da J&J Brasil.

Já  na visão da presidente do Grupo Mulheres do Brasil e ex-CEO da Dudalina, Sonia Hess, em um momento em que o consumidor está tão arredio para comprar é essencial aprimorar o atendimento . “Além de treinar e capacitar, também é necessário envolver os colaboradores, fazer com que se sintam parte do negócio”, avalia.

Composto por mulheres de vários segmentos de todo o país, o grupo Mulheres do Brasil se reúne mensalmente para discutir e propor ações em temas ligados à educação, empreendedorismo, cota para mulheres e projetos sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.