P&G tira lições da pandemia para fortalecimento da indústria

Vice-presidente de vendas da P&G destaca velocidade de mudanças e chegada ao ponto de inflexão que o país precisava para aderir às compras online

A mesma pandemia que empurrou os profissionais de todo o mundo para o home office nos últimos meses, trouxe para a P&G aprendizados que jamais serão esquecidos. De acordo com André Felicíssimo, vice-presidente de vendas da companhia, a velocidade com que podemos aprender é o ponto alto deste momento. “Esta crise aumentou a velocidade de aprendizado. Em 48 horas, movemos centenas de pessoas para o home office. Além disso, chegamos ao ponto de inflexão que o Brasil precisava para o online explodir”, disse durante a live conduzida pela SuperVarejo.

Para o VP de vendas, apesar das reuniões online com clientes funcionarem bem, é importante não esquecer dos relacionamentos. “O relacionamento digital é bom e eficiente para manter uma comunicação, mas para construir algo novo é mais difícil”, explicou André Felicíssimo. 

Em relação à operação, o maior aprendizado do setor de vendas da P&G com a pandemia foi o fortalecimento da parceria entre o varejo e a indústria. “Com ambos engajados, não tivemos defasagem na cobertura de lojas. Não basta apenas entregar, tem que garantir que o produto vá do caminhão para a gôndola”, afirmou André.

Entre os fatores determinantes para o sucesso do varejo em tempos de pandemia é importante entender que o comportamento do consumidor mudou radicalmente, baseado em três expectativas para fazer a escolha de uma loja, segundo André Felicíssimo:

  1. Pontos de venda que ofereçam jornada de compra segura, rápida e produtiva, ou seja, quando o cliente encontra tudo o que precisa.
  2. Comunicar ao consumidor que a loja está preparada para recebê-lo, demonstrando atitudes.
  3. Tornar a compra dos clientes cada vez mais produtiva, elevando o ticket médio.