O Supermercado do Futuro (e do presente): o consumidor em primeiro lugar

Veja como algumas ideias desejam ampliar a experiência do consumidor

No atual cenário, uma palavra tem sido crucial quando o assunto são a redução de custos e as melhores experiências operacionais e de atendimento, a tecnologia, que está pronta para auxiliar o supermercadista em diversos setores e para aperfeiçoar os mais diversos serviços. Trata-se de um investimento (e não custo), uma estratégia lucrativa.

Segundo o Estudo de Prontidão e Maturidade Tecnológica do Varejo Supermercadista, fruto da parceria entre a APAS (Associação Paulista de Supermercados) e a renomada consultoria PwC, dados de 2015 mostram que as empresas que tiveram sucesso no processo de automatização podem conquistar um aumento de produtividade em torno de 10 a 15%. Além disso, estes processos podem oferecer uma maior satisfação ao consumidor  —  que, agora, busca uma melhor experiência de compra.

No futuro, a tendência é que as atuais tecnologias disponíveis estejam cada vez mais integradas ao cotidiano das pessoas, o que trará mais inteligência e dinamismo na resolução das tarefas simples ou até as mais complexas. Para o supermercado do futuro, a experiência do consumidor estará ainda mais em voga. Com a conveniência de encontrar o que se deseja nos mais diversos canais, o estabelecimento escolhido pelo cliente será o que estiver mais bem preparado.

Veja algumas inovações que ganham o mercado:

Self-Checkout

No Brasil, a tecnologia ganha força e permite ao cliente finalizar a compra sem passar pela fila tradicional, o que proporciona maior empoderamento e agilidade na experiência de compra.

“O self-checkout oferece mais agilidade na frente do caixa, pois não tira emprego dos colaboradores e ainda diminui a desistência das pessoas que evitam entrar na loja com medo das filas. Para compras de até 15 itens, o sistema é o ideal”, explica Roseli Morsch, diretora Comercial da Visual Mix, empresa que oferece tecnologia para varejo.

Para o supermercadista, as vantagens são comprovadas. Em entrevista recente para o Portal APAS, Tatiana Fujimoto, uma das diretoras da rede Tateno, salienta que o self-checkout é ótimo para o processo de atendimento.  “[Com o sistema disponível para compras menores], o checkout antes utilizado como caixa rápido pode receber clientes com compras grandes. Além disso, apesar do investimento ser alto, um mesmo funcionário consegue administrar de três a quatro checkouts deste gênero”, conclui.

Operações inteligentes

Como solucionar as rupturas de caixa, falta de troco e, ainda, empoderar um consumidor que busca vantagens e boa experiência de compra?

Inovações que unem inteligência e praticidade:

Uma delas é um cofre automatizado. Segundo Elvio Takeo Azeka, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Glory Global Solutions, essa é uma inovação que contribui para todos. “O cofre gera toda uma facilidade, pois é automatizado. Todo operador de caixa faz o depósito nessas máquinas e, de forma prática, já processa a questão contábil. Dessa forma, reduzem-se custos, erros e ampliam-se os ganhos para o supermercadista.”

Em outras vertentes, balanças comerciais informatizadas, sistemas modernos de etiquetagem e de codificação, sistemas de controle de peso, entre outros, já são uma realidade. “Pensando em empoderar o consumidor, os procedimentos de pesagem podem ser realizados com a participação do cliente. Existem sistemas que reconhecem o produto por meio da pesagem e oferecem mais informaçõese tudo de forma automática, revela João David, diretor Geral da Bizerba do Brasil, empresa que propõe soluções para os setores da indústria e de logística.

Mídia Indoor

Monitores e displays que ofereçam interatividade e informação ao consumidor, além dos preços, são formas de unir as duas características do novo perfil de consumidor, bem informado e disposto a conhecer as marcas na busca pela melhor relação custo/benefício. “O perfil do consumidor mudou muito. A relação com novas plataformas de interação dentro do PDV está diferente e a porcentagem de interação é alta. A expectativa é que o ponto de venda, inclusive, solucione os seus problemas”, avalia Cristiane Donini, responsável pelas Operações de Mídias Indoor da RDS Multimídia, empresa que oferece soluções de mídia dentro do varejo.

E você, o que acha dessas mudanças inovadoras no supermercado? Conhece alguma delas? Deixe um comentário!

Banner-e-book

 

Um comentário em “O Supermercado do Futuro (e do presente): o consumidor em primeiro lugar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.